RSS

Ágape

“Minha amiga, os gregos tinham várias palavras para descrever o que nós hoje juntamos tudo sob a palavra “amor”. As principais eram: Fileo, Eros e Ágape. As traduções dos antigos textos gregos(a própria Bíblia, por exempo) simplificam isso, traduzindo todas por “amor”. Mas essa simplificação esconde o sentido verdadeiro.
Para os gregos, fileo é o amor fraternal. É um amor virtuoso e desapaixonado. Pode ser aquilo que une os amigos, mas também pode significar um interesse, uma admiração, a alguém ou algo.
Eros, bem, eros não precisa explicação, neh? Basta lembrar que deu origem à nossa palavra “erótica”. É físico, carnal.
Mas ágape… ah, ágape é algo especial. É o amor mais elevado. Talvez quase sobre-humano. É o amor daquele que se sacrifica por amor. Ágape é mais que um sentimento, é uma atitude. E como você sabiamente disse, uma decisão.
E é essa palavra que Jesus usou quando disse “O meu mandamento é este: Que vos ameis (ágape) uns aos outros, assim como eu vos amei (ágape)”
Ele não quis dizer que devemos sentir afeto por todos à nossa volta (ele conhecia nossas limitações humanas), mas quis nos ensinar que devemos tratar a todos com amor.
Bem, escrevi isso só a título de curiosidade. Porque o amor não é teórico, é empírico neh? “

Anúncios
 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 8, 2011 em Uncategorized

 

Aramis Donaire

Sou a alma louca de alguém que parece sério.
Sou o desvairo de mais um, fugindo de ser igual a todos.
Sou o grito de liberdade de um corpo aprisionado no tempo.
Sou um sonho surreal, utópico, desproporcional, infinitamente belo.

Sou a pressa de quem teima em tentar estar em todos os lugares ao mesmo tempo.
Sou a paz de quem vê uma planta crescendo lentamente, dançando com o vento.
Nada vendo, nada compro, nada tenho.
Prossigo vivendo para aprender a viver.

Não tenho muito talento, mas em meu peito pulsa o coração de um artista.
Trago a música que soa do fundo de um coração humano, em um mundo de máquinas.
Tentando amplificar a esperança, encher a cidade de amor, grito surdamente pelas ruas movimentadas.

Sou o abraço acolhedor de um amigo fiel como um cão.
Sou um pai que ainda não tem filhos, mas assim as trata todas as pequenas criaturas.
Sou a angústia de quem é machucado por quem ama.
Sou a coragem de quem dá a outra face.

Ando arrastado por um espírito de aventura, atrofiado, de quem nasceu em uma bolha.
Sou a curiosidade temerária de quem tem o universo dentro de si.
Tenho sede, fome e sono.
Tento compreender algo que não se comprime dentro de mim.

O maior amor da minha vida é Jesus
O segundo lugar está vago.
Enquanto isso, acumula em minha represa um enorme amor guardado,
Esperando para ser despejado em um ser que saiba recebê-lo.

 
Deixe um comentário

Publicado por em junho 8, 2011 em Uncategorized